Páginas

domingo, 28 de março de 2010

Inveja: pecado número não se sabe o qual.

São dois jovens de namorados felizes e de conversas ao pé d'ouvido, ouço quase nada somente sussurros de carinho. A menina: de pele branca e cabelos loiros com mechas, oferece teu fino rosto ao seu amor.
Postura pacifica do jovem garoto de cabelos negros, óculos e aliança no dedo.
Beijos tímidos, abraços gostosos e olhares sinceros, são assim que eu os vejo do vidro do ônibus.
(...)
É a minha hora, meu ponto chegou e eu desço aqui.

14 comentários:

  1. Gosto de textos que extraem de simples ocorrências do cotidano, preciosidades. =D

    ResponderExcluir
  2. belo texto cara =)
    de verdade msm, gostei
    abraçs, Zé dos Filme

    ResponderExcluir
  3. Simples e de despertar inveja. Interessante o modo como usou algo de cotidiano mas o modo como o fez pareceu algo tão bonito ao mesmo tempo, que qualquer um gostaria de ter. A reciprocidade, o carinho, o compromisso entre eles.

    ResponderExcluir
  4. Adorei!!!
    Parabéns pelo blog!
    Vou voltar mais vezes!

    ResponderExcluir
  5. Um texto curto, mas que abre espaço para várias traduções, leituras, interpretações, ver de longe algo é melhor, dá para análise mais enfaticamente o prisma de horizontes, já que não se pode viver aquilo que é de feitio de outros protagonistas...

    ResponderExcluir
  6. Bacana, começa simples e tem aquele final da hora...

    Apesar do comentario sem gracinha, li o texto todo:P

    ResponderExcluir
  7. Adorei suas flores de plástico Theo, nem precisa agradecer!! ;)

    ResponderExcluir
  8. Parabéns rapaz, usas muito bem as palavras.
    Lí um post e me senti 'agarrado' na leitura, textos assim são raridade hoje em dia.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  9. Gostei Théo
    Vi que você havia reclamado lá na comunidade que preferia um calote ao comentário sem fundamento.Eu também.Principalmente,por que escrevo de forma clara e objetiva,não esses textos que abrem milhões de possibilidades.
    Quanto ao seu post,eu tive uma intrepretação.Não é o amor entre o casal o fco do texto.É a a inveja que o eu lírico sentiu ao vê-los se abraçando se beijando etc.Tudo isso porque nesse momento ele estava só,do outro lado do vidro.
    talvez se perguntando: Por que não eu? Por que sempre dá errado comigo. Ou pelo simples fato de não se sentir feliz ao presenciar felicidade.

    Gostei do blog rapaz,principalmente dá assinatura no final.Parabéns.

    ResponderExcluir
  10. Tu conseguiu se expressar muito bem atraves de poucas linhas. Até eu que sou apenas o leitor, senti essa inveja do eu lirico. Parabens cara, tu sabe escrever. Te seguindo ;)

    ResponderExcluir
  11. Um olhar...um olhar...um pensamento, logo um poesia.Lindo jeito de transforma o que e belo e em mais belo ainda. Parabens!

    ResponderExcluir
  12. gostei. eu hoje por coincidencia posteu um texto falando sobre isso de coisas de idas e vindas no onibus.
    muito bom, hoje mesmo me aconteceu de ver um casal desses no onibus. é lindo. mas um pouco chato pra quem é solteiro "/ ahahah

    beijo

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário. A POESIA AGRADECE!